sábado, 5 de novembro de 2016

Tese sobre um homicídio: o soberbo cinema argentino

Não adianta nós brasileiros termos toda essa injustificada carranca contra os argentinos, que isso não me fará deixar de admirar as inúmeras coisas boas que têm nuestros hermanos. Adoro a Argentina, onde tenho amigos e sou um grande admirador de seu povo, que nos deu o Papa Francisco, a literatura de Jorge Luis Borges, o tango de Carlos Gardel e outros, o pensamento jusfilosófico de Luis Alberto Warat, seus 5 Prêmios Nobel e o provavelmente melhor cinema da América Latina, com 2 Oscars de Melhor Filme Estrangeiro ("A História Oficial" e "O segredo de seus olhos", dois filmes magníficos).

Pois ontem tive a oportunidade de ver mais um ótimo filme desse cinema de altíssima qualidade. "Tese sobre um homicídio" é um suspense envolvente e inteligente, desses que é necessário ficar atento a cada detalhe e ainda assim não fecha conclusões, deixando isso para o espectador. 

Dirigido por Hernán Goldfrid, a trama envolve um jogo psicológico e quase enxadrista entre Roberto Bermudez (interpretado pelo onipresente Ricardo Darín), Professor de Direito Penal da Universidade de Buenos Aires e Gonzalo (Alberto Ammann), aluno brilhante de um concorrido curso de pós-graduação dado por Bermudez na UBA. Após um misterioso assassinato de uma jovem, cujo corpo é encontrado no estacionamento da Universidade, Gonzalo passa a travar com Bermudez diálogos que trazem sobre ele a suspeita de que tenha cometido o referido homicídio. Gonzalo parece desejar que o Professor saiba disso ou pense assim, ao passo que Bermudez procede a uma investigação pessoal que busca a confirmação dessa suspeita, bem como a possível antecipação de passos do primeiro, um aparente psicopata, se confirmada sua autoria do assassinato em questão.

O jogo termina por ser uma disputa intelectual entre ambos, sendo inevitável a um cinéfilo lembrar de "Festim diabólico", de Alfred Hitchcock. Apesar disso, não se tem clareza na responsabilidade pelos fatos, o que torna "Tese sobre um homicídio" ainda mais interessante nesse aspecto. A investigação de Bermudez possui realmente uma coerência lógica ou ele se tornou obsessivo em confirmar suas suspeitas? Trata-se realmente de um crime perfeito ou o professor conseguirá desmascarar finalmente o aluno, provando ser este o assassino? Gonzalo seria mesmo o assassino da jovem ou estaria apenas fazendo uma oportunista provocação intelectual a Bermudez para superar o mestre em inteligência e sagacidade?

Sem dúvida mais um grande filme do soberbo cinema argentino com um roteiro muito competente, sem obviedades, além de uma fotografia perfeita e ótimas atuações. Vale muito a pena.

Nenhum comentário: