terça-feira, 3 de junho de 2008

E o que é que eu tenho com isso?


Com essa fiquei pasmo! O Procurador Geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Paulo Schmitt, pretende pedir a interdição do estádio do Náutico pela confusão causada domingo pelo jogador do Botafogo André Luís com a Polícia Militar local.

Entenda a confusão: domingo no Estádio dos Aflitos, Náutico e Botafogo jogavam pela quarta rodada do Brasileirão 2008 e próximo do final do primeiro tempo o time da casa vencia por 1x0. De repente, o jogador André Luís, do Botafogo, faz uma falta dura em Ruy, do Náutico, e leva o segundo cartão amarelo, tornando obrigatória sua expulsão. A falta nem foi tão brusca assim, mas como o botafoguense estava distribuindo pancada a esmo, foi punido. Até aí, tudo bem.

Todavia, o jogador resolveu ficar no banco de reservas, o que a legislação desportiva não permite, pois obriga o jogador expulso a sair de campo. Interpelado para fazê-lo, distribuiu gestos obscenos (as famosas "dedadas") à torcida do Náutico, chutou uma garrafa de plástico que terminou atingindo um torcedor nas sociais, quebrando seus óculos e o ferindo, e ainda reagiu com virulência à intervenção policial que até então se dava sem violência. Diante disso, a polícia decidiu agir energicamente, o que gerou reações dos demais jogadores e do Presidente do Botafogo, completamente nervoso e descontrolado, e a polícia os levou ao Juizado do Torcedor, no próprio Estádio. Lá, o Presidente botafoguense ainda partiu para agressões contra o Promotor, o que gerou sua detenção momentânea.

Diga-se que, em nenhum momento houve invasões de campo por parte da torcida ou agressões da mesma para com os jogadores do Botafogo, além dos xingamentos de praxe. Toda a confusão foi entre a polícia, a Justiça e os botafoguenses.

Por isso, me espanta a determinação do Procurador do STJD de punir...pasmem...o Náutico! Sei que, como alvirrubro, sou suspeito para falar, mas, honestamente, o que é que o Náutico fez? Não provocou qualquer confusão, sua torcida não invadiu o campo, não interferiu na ação da polícia, não coagiu adversários e até a alegação do fechamento do vestiário do Botafogo não pode prosperar, já que isso ocorreu por ordem da Federação, antecipadamente e para todos os jogos, não se tratando de qualquer interferência do Clube a respeito.

Sinceramente, não gosto de teorias da conspiração, mas parece algo realmente orquestrado para prejudicar o clube pernambucano, pois isso acontece justamente quando após 4 rodadas o Náutico ocupa a 3ª colocação no Brasileirão e com 100% de aproveitamento nos jogos em casa. Aliás, não é a primeira vez que isso acontece com um clube daqui. Lembro que em 2003, na Série B, o Sport foi punido com a interdição da Ilha do Retiro, o que o fez jogar distante de sua torcida e beneficiou justamente o Palmeiras e o Botafogo que, naquele ano, voltaram à 1ª divisão. Bom, todos os que acompanham futebol, sabem da força do Náutico jogando nos Aflitos e do Sport jogando na Ilha do Retiro, e que qualquer interdição dos referidos estádios tenderá a prejudicar bastante os 2 clubes. Ouvi notícia de que o Presidente da Federação Carioca está querendo impedir a realização de jogos em...Pernambuco! Incrível!

Só que desta vez, os argumentos do Procurador de que o Náutico seja o responsável por isso beiram à surrealidade. Parecem os argumentos do lobo diante do cordeiro, na famosa fábula de La Fontaine. Até Juca Kfouri, jornalista que alguns consideram tendencioso em favorecer os times do Sul-Sudeste em seus comentários, declarou achar um completo absurdo uma punição ao Náutico (conferir: http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas/2008/06/02/ult59u159252.jhtm).

Ora, Sr. Paulo Schmitt, deixe os resultados acontecerem dentro de campo. Já chega de interferências indevidas da cartolagem, querendo que o extracampo e a força política prevaleça em detrimento do futebol. Ganhando ou perdendo, deixe tudo ser decidido dentro de campo. Não procure dente em bico de galinha, Sr. Procurador. Por favor, seja menos parcial, menos tendencioso.

Parece até que os clubes do Sul-Sudeste não se conformam em termos um clube pernambucano em 3º lugar no Brasileirão (Náutico) e outro como finalista da Copa do Brasil (Sport). Rivalidades à parte, aqui em Pernambuco se joga futebol, Sr. Paulo Schmitt. Por que não vai olhar o vandalismo da torcida do Vasco quando depredou o ônibus do Sport e a atitude da diretoria do clube carioca quando fechou os vestiários do clube pernambucano em São Januário, impedindo que seus jogadores se aquecessem em campo? Ali, sim, houve uma atitude deliberada por parte dos vascaínos, o que não ocorreu em PE. Poderia o Náutico interferir no trabalho da Polícia Militar ou da Justiça?

Não vê quem não quer. Pernambuco imortal! Náutico sempre!

Em tempo e para descontrair um pouco, piada que corre Recife afora: André Luís deu "dedadas" à torcida do Náutico e foi processado; Carlinhos Bala deu "dedadas" à torcida do Sport e foi contratado!

Um comentário:

Fernando disse...

Grande Bruno

Independentemente de rivalidade futebolística é no mínimo uma insensatez, para não dizer disparate, o que esse cidadão do STJD está propondo. Não há a mínima razão para pedir a interdição dos Aflitos. O cara vem pra cá, pinta míséria, a polícia faz o papel dela e sobra pro clube?!!!! Espero sinceramente que essa maluquice não prospere. Grande abraço e hoje é CAZÁ, CAZÁ, CAZÁ!