domingo, 13 de janeiro de 2008

Ciência afirma: mosca "macho" bêbada solta a franga

Este post está parecendo a coluna do Macaco Simão. Pelo menos ando bem humorado, apesar da primeira notícia do ano. Acho que é a paternidade me fazendo bem.

Recebi essa notícia por e-mail e quase não acreditei. Resolvi ir ao site da publicação científica PLoS ONE (http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0001391) e é verdade mesmo.

Trata-se de um estudo realizado na Universidade Estadual da Pennsylvania, EUA, liderado por Kyung-An Han. Machos de mosca-da-fruta (parece piada pronta mesmo!) submetidos a constante exposição ao etanol ficaram mais excitados e desinibidos sexualmente, a ponto de não somente irem com mais voracidade em busca das fêmeas, mas também de outros machos. E o efeito é mais intenso com a idade. Machos mais velhos ficam ainda mais desinibidos em relação aos outros do mesmo sexo.

Foi a primeira experiência a tratar dos efeitos da atividade sexual da exposição crônica ao álcool. Segundo Kyung-An Han (e a experiência cotidiana confirma), o álcool possui uma forte relação causal com desinibição e excitação sexual em humanos. Porém, a base fisiológica dessa noção ainda não é bem conhecida, o que justificaria a necessidade de estudos de tal natureza em animais. Em razão disso, a equipe de cientistas resolveu estudar os referidos efeitos na mosca drosophila.

O ritual de acasalamento das moscas consiste em produção de feromônios, uma substância que atrai sexualmente os machos, que a seguem e iniciam o ato, tocando o abdômen das fêmeas e vibrando as asas. Normalmente isso não acontece entre machos.

Para efetuar a pesquisa os seus empreendedores criaram uma câmara com teto transparente para filmagem e abertura na parte de baixo para inserção e administração do etanol. Batizaram esse local de flypub ("bar de mosca").

Segundo o estudo, um macho pode até se enganar e iniciar o ritual com outro enquanto ainda sóbrio ou com pouca exposição ao álcool, mas logo percebe o erro ou é repelido na hora pelo outro (cabra macho da peste!).

Contudo, se a dose é aumentada e a exposição é diária (mosca "alcoólatra"), surge um comportamento sexualmente mais desinibido no flypub (vira logo boate GLS). Ainda segundo os pesquisadores, o comportamento lembrou o de outra experiência, a de moscas geneticamente modificadas em laboratório com mudança na orientação sexual, visível em "trenzinhos" alados compostos somente de moscas "machos" (é o trenzinho da sacanagem).

É a cachaça revelando a verdadeira condição das moscas. Olha que pode acontecer também com as pessoas, cuidado aos desavisados. Se o sujeito depois que bebe começa a agarrar e beijar tudo quanto é homem, é bom desconfiar: pode se tratar de uma "mosca-da-fruta"!

No final das contas, é a sabedoria dos antigos romanos, in vino veritas ("no vinho, a verdade").

Nenhum comentário: