sábado, 13 de outubro de 2007

Ciência pitoresca: bomba gay e viagra para hamsters


A ciência é uma das mais incríveis invenções humanas. Até por dever de ofício, lido com o pensamento científico no direito e as maiores aproximações que podem ser feitas com a realidade através do conhecimento científico são notáveis. A ciência é a razão maior de ser das universidades e a pesquisa científica é responsável por grandes realizações humanas, embora nem sempre seja utilizada exatamente para o bem estar geral.

Porém, neste espaço não quero falar da ciência astrofísica que estuda as supernovas ou da produção de conhecimento tecnológico aeroespacial. Menos ainda de métodos e técnicas de averiguação dos comportamentos dos juízes e dos jurisdicionados. Na verdade, trago para os leitores deste blog o relato das pitorescas pesquisas ganhadoras do Ig Nobel 2007, uma espécie de prêmio Nobel dos "cientistas desocupados" dos quais fala Jô Soares em seu programa televisivo. Embora pareçam inúteis, a pesquisa científica é assim mesmo, nem sempre conduz a descobertas brilhantes. Pesquisar é atividade que se sabe somente como inicia, mas dificilmente sabemos de antemão os resultados. Bom, abaixo a relação dos ganhadores do prêmio e suas investigações em diversas áreas da ciência (afinal, a ciência também pode ser engraçada):

AVIAÇÃO

Essa é demais. Venceram Patricia V. Agostino, Santiago A. Plano e Diego A. Golombek, pesquisadores da Universidad Nacional de Quilmes/Argentina, por descobrirem que o sildenafil, princípio ativo do Viagra, consegue reverter os efeitos do jet lag (mal-estar causado por viagens para fusos horários diferentes) em hamsters. Olha aí uma ótima desculpa para o sujeito comprar Viagra sem admitir que já não está mais tão viril como outrora.

BIOLOGIA

Ganhou o Prof. J. Van Bronswijk (Universidade de Tecnologia de Eindhoven/Holanda) por ter feito o censo completo dos ácaros, insetos, aranhas, bactérias e fungos com os quais dividimos nossas camas.

FÍSICA

Ganharam Lakshminarayanan Mahadevan (Harvard University/EUA) e Enrique Cerda (Universidad de Santiago/Chile) por estudarem como os lençóis ficam enrugados.

LINGÜÍSTICA

Venceu a equipe do Prof. Juan Manuel Toro (Universidad de Barcelona/Espanha) por mostrarem que ratos às vezes não diferenciam pessoas falando holandês ou japonês de trás para a frente.

LITERATURA

A premiada foi Glenda Browne (Blaxland/Austrália) por seu estudo sobre o artigo "o/a" e os diversos problemas que ele causa a qualquer um que tente colocar as coisas em ordem alfabética.

MEDICINA

Receberam as loas Brian Witcombe (Gloucester/Reino Unido) e Dan Meyer (Antioch/EUA) pelo estudo médico intitulado "Engolimento de espadas e seus efeitos colaterais" (acima, a foto da cerimônia de premiação).

NUTRIÇÃO

Levou o prêmio Brian Wansink, pesquisador da Cornell University, por explorar o apetite dos seres humanos ao lhes fornecer um prato de sopa sem fundo que se enche sozinho.

PAZ

Essa é a melhor. O vencedor foi o Laboratório Wright, da Força Aérea Norte-Americana, pelas instigantes pesquisas de uma nova arma química que tornará soldados inimigos sexualmente irresistíveis uns aos outros. É A BOMBA GAY.

QUÍMICA

O vencedor foi o japonês Mayu Yamamoto que desenvolveu uma forma de extrair a vanilina (molécula que dá o aroma e o sabor da baunilha) a partir do esterco de vaca.

Mais detalhes confiram: improbable.com/ig/2007/2007-details.html

Nenhum comentário: